Publicidade

Publicidade

Diretor diz quanto custa para o Estado um preso no Conjunto Penal de Feira de Santana


O diretor do Conjunto Penal de Feira de Santana, capitão Allan Araújo, explicou em entrevista ao Acorda Cidade como funciona o benefício reclusão para presidiários e quanto custa um preso para o estado da Bahia.

De acordo com ele, o auxílio reclusão funciona apenas para presos que antes de cometerem os crimes trabalhavam de carteira assinada, contribuíam para a previdência social e ganhavam até R$1.200,00. Essas características asseguram que a família desse preso tenha direito ao auxílio reclusão.

“A família recebe um salário mínimo para custear a manutenção das despesas. Na prática, por base, o Conjunto Penal de Feira de Santana, apenas 5% dos presos se encaixam nesse perfil e então ele tem que estar enquadrado realmente nesse perfil de família de baixa renda, de estar contribuindo para a previdência social e receber lá fora salário prévio de até 1.200 reais. Se ele estiver enquadrado não depende do tipo de crime que ele cometeu”, afirmou.


O diretor esclareceu ainda que ao receber o alvará de soltura, a família do preso perde o benefício. Além disso, um preso custa para o sistema carcerário baiano aproximadamente R$ 2.800.

“Serve para o regime fechado e semi-aberto. Atualmente os presos provisórios que se enquadram no perfil, as famílias também também recebem o benefício. O último dado que nós recebemos de custo de preso ficou em torno de R$ 2.800 reais. Isso inclui as despesas de um modo geral. Despesas de transporte, de pessoal, salário do diretor, do agente penitenciário, conta de água, de luz, alimentação e todas as outras despesas que circundam todo o processo do sistema carcerário”, finalizou.

Por: Erivaldo Oliveira,  São Gonçalo Alerta
Fonte: Acorda Cidade

Top da Semana

Notícias